Gravidez aumenta a propensão às cáries e deixa as gengivas mais sensíveis

Variações hormonais interferem na produção da saliva; que tem função protetora

 

Durante a gravidez, as variações hormonais provocam mais mudanças do que você imagina. Pouco comentada, mas não menos evidente, as alterações relacionadas à saúde bucal pegam muitas mulheres de surpresa.Há aumento da sensibilidade dental e da quantidade de cáries, bem como as gengivas ficam mais sensíveis e desprotegidas em decorrência das alterações hormonais que ocorrem neste período , explica o dentista Christian Wehba, mestre em Diagnóstico Bucal e especialista em periodontia. De acordo com ele, o maior consumo de doces e carboidratos é agravante do quadro.

O odontopediatra Marcos Kneese-Flaks lembra, ainda, que a falta de tratamentos preventivos, como aplicações de flúor e limpezas profissionais, pode complicar ainda mais a situação. Isso porque alguns tratamentos não são recomendados durante a espera do bebê. Evitamos tudo o que for estressante para a mãe, privilegiando apenas as emergências e ações de prevenção , afirma o especialista. Na entrevista abaixo, ele explica com detalhes o que acontece nos dentes e na gengiva da mulher grávida e revela por que os cuidados com a higiene são ainda mais importantes nesta fase.

Que tipo de problema bucal a gravidez pode favorecer? Por que isso acontece?

Na gestação, acontecem muitas alterações no corpo da mulher, a maioria delas relacionada a variações hormonais. Essas mudanças podem gerar um aumento nos problemas gengivais(sangramento das gengivas, perdas das fibras e ossos que seguram os dentes e retrações da gengiva), aumento na quantidade de cáries, aumento da sensibilidade dental ao frio, quente e doces, aftas e até uma esquisita ardência na língua.

Como a variação hormonal interfere na saúde da boca?

A variação hormonal em gestantes é muito intensa e extremamente complexa. Simplificando, as gengivas das gestantes ficam menos protegidas e com menor capacidade de regeneração. Além disso, o fluxo salivar também pode ser afetado e diminuído (e a saliva tem poder protetor e higienizador das gengivas e dentes, que ficam menos protegidos). Vale lembrar que os hábitos alimentares das gestantes também são modificados, podendo gerar um aumento na formação de cáries.

A amamentação pode enfraquecer os dentes? O consumo de cálcio deve aumentar?

Não, a amamentação não enfraquece os dentes. Mas a alimentação precisa ser balanceada de acordo com as novas necessidades e com consumo adequado de alimentos que contenham cálcio. Caso esse nutriente não seja oferecido na quantidade adequada, o organismo da mulher vai extraí-lo das reservas do esqueleto (e não dos dentes).

A gestante deve evitar algum tipo de tratamento bucal?

Consultas para avaliação da condição bucal, limpezas profissionais e aplicações tópicas de flúor e de clorexidine (anti-séptico) estão permitidas durante a gravidez. A prevenção é imprescindível para evitarmos os problemas gengivais e as cáries. A quantidade de consultas preventivas vai depender das condições bucais observadas pelo profissional, geralmente recomendo de duas a três consultas no período gestacional. Tratamentos como cirurgias, próteses, implantes e restaurações estéticas, no entanto, só devem ser realizados após o nascimento do bebê. Em casos de emergência, fazemos o procedimento necessário para aliviar a dor, mas é ideal que isso aconteça só após o segundo trimestre, quando a mãe e o bebê encontram-se mais estáveis.

A anestesia para as grávidas é especial? Por quê?

Sim, para tratamento sem gestantes indico o uso de anestésicos sem vasoconstritores ou anestésicos com vasoconstritor natural, ou seja, que não contenham nenhuma substância comprima os vasos sangüíneos. Também podemos usar anestesias à base de substâncias vasoconstritoras que são encontradas no organismo humano, como a adrenalina. Idéia é evitar, ao máximo, a injeção de substâncias estranhas ao organismo da gestante. Isso porque elas podem passar pela barreira placentária e causar alterações no feto e na fixação dele no útero. Atenção, o uso de anestésicos só é indicado em casos emergenciais, já que a prioridade em gestantes são os tratamentos preventivos.

Que tratamentos dentários estão proibidos durante a gestação? Por quê?

Cirurgias, tratamentos protéticos e restauradores, tratamentos estéticos e implantes não estão proibidos, mas devem ser evitados. As radiografias só devem ser realizadas em casos emergenciais e, de preferência, no segundo trimestre de gestação. As consultas odontológicas em gestantes devem ser rápidas, em ambientes agradáveis e sem qualquer tipo de estresse. Tratamentos não emergenciais devem ser realizados após o nascimento do bebê, pois a gestação é um período muito instável.

Os dentes realmente podem escurecer durante a gestação?

Não, não existem relatos científicos que relacione escurecimento dos dentes e gestação. O escurecimento dos dentes está relacionado à idade e aos hábitos das pessoas (cigarros, charutos, café, hábitos alimentares, hábitos de higiene oral).

É permitido fazer clareamento dental durante a gravidez? Por quê?

Não recomendo realizar clareamentos durante a gravidez. Nem sequer existem trabalhos científicos sobre os efeitos desse tipo de tratamento dental em gestantes. E, vale lembrar, uma das dificuldades dos tratamentos clareadores é o controle da sensibilidade dental e das alterações gengivais que podem ocorrer. Como as gestantes podem ter esses problemas aumentados, o uso dos clareadores está contra-indicado.

A gestação deixa a mulher mais suscetível às cáries?

Sim, porque há diminuição do fluxo e da ação protetora da saliva e aumento na ingestão de alimentos. Esses dois fatores, em conjunto, podem gerar um aumento da acidez constante na boca, facilitando a desmineralização dos dentes, ou seja, facilitando a formação de cáries. As gestantes devem dar atenção especial à saúde bucal. Higienização com escovação adequada sempre após as refeições, uso correto e diário do fio dental (mesmo que seja observado aumento do sangramento gengival) são imprescindíveis neste período. Atenção especial também deve ser dada à alimentação que deve ser balanceada, evitando-se doces, balas, salgadinhos e refrigerantes.

A sensibilidade dos dentes à temperatura aumenta nesta fase?

Sim, as alterações nos tecidos gengivais, a diminuição do fluxo salivar, o aumento das retrações de gengiva, o aumento no consumo de alimentos ácidos e de carboidratos podem gerar aumento da sensibilidade dos dentes à temperatura.

 

Fonte: Minha Vida

      

Comentários

Nenhum Comentário