Como tratar o tártado em prótese dentária? Dentista explica os principais cuidados

13259-o-tartaro-ja-e-um-problema-para-os-dente-slider_medias-1O tártaro já é um problema para os dentes naturais. Em prótese dentária a situação não é muito diferente. O periodontista Leonardo Costa conta como dar um fim no problema e, principalmente, como se prevenir dele

 

Imagine a seguinte situação: uma boca cheia de bactérias duras, que não param de se multiplicar, presas nos dentes. Esse é o cenário da boca de um paciente com tártaro. Só de imaginar é assustador, não é mesmo? Mas ainda bem que existem tratamentos para este problema que envolve todos os tipos de sorriso, incluindo aqueles com prótese. Convidamos o periodontista Leonardo Costa para explicar os principais cuidados e como se prevenir do tártaro.

COMO SE LIVRAR DO TÁRTARO NA PRÓTESE DENTÁRIA

Para acabar com essa placa bacteriana amarelada e dura nos dentes, marque uma consulta urgente. Isso porque, só o dentista é capaz de removê-la por completo. Com uma limpeza profunda, o profissional consegue tirar todo o tártaro, deixando os dentes mais saudáveis e limpos. Leonardo explica que o ideal é o paciente realizar essa visita regularmente e fazer a higiene e manutenção da prótese. “Para uma limpeza correta das próteses deve-se associar métodos físicos e químicos de acordo com cada tipo”.

PREVINA-SE E NÃO CONVIVA COM ESSE AMARELO

Prevenir o tártaro é mais simples do que se pensa. O primeiro passo é realizar uma higiene bucal completa, usando fio, escova e creme após as principais refeições. “A depender do tipo de prótese pode-se utilizar também fios especiais e escovas interdentais”. No caso da prótese ser removível, ela deve ser higienizada com escovas e cremes específicos. Leonardo cita que também existem efervescentes em saquinhos ou em formato de tabletes para a limpeza das prótese. O ideal é combinar as técnicas.

TOME CUIDADO COM OUTROS PROBLEMAS

Se você não praticar a higiene de maneira correta, a prótese pode se tornar uma vilã na sua boca. O profissional explica que o acessório acaba facilitando a colonização de bactérias e fungos. “Isso contribui para a evidenciação clínica e subclínica, como cáries, doenças gengivais, processos inflamatórios e patológicos como a estomatite protética”. O ideal é não deixar esse hábito para trás e, em caso de qualquer problema, procurar sempre o seu dentista.
Fonte: Sorrisologia

      

Comentários

Nenhum Comentário